quinta-feira, novembro 07, 2013

O TEATRO É A SALVAÇÃO PARA O TÍMIDO: DESDE QUE... (THEATER IS THE RESCUE FOR TIMIDS: BUT...)


Um dos meus mais lidos posts é O Teatro não é a Salvação dos Tímidos. Numa impressionante proporção de 700% a mais do 2º post mais lido neste blog. Alguns comentários criticam minha postura. Então é preciso saber o que é o teatro para cada um. O teatro é para quem assiste ou para quem faz? O teatro deve agradar (mesmo sendo desagradável) ou provocar repulsa (a completa repulsa)? Minha opinião é que o teatro atravessa por todas essas condições. É um estado, um nível de existência: o indivíduo existe em casa, veste os uniformes para o trabalho, suas máscaras quando caminha na rua, dirige o carro, encontra amigos e coleta outras quando assiste televisão, transita pela rede virtual ou vai ao teatro. O teatro para quem faz é um território livre com regras. Pode agir de modo livre, mas há regras. Na verdade o teatro imita, reproduz, descreve a liberdade; mas está preso a poderosas normas da estética, do belo. Uma norma severa no teatro é o tempo. Nenhum sentimento resiste ao tempo. Nada é permanente na vida e o teatro é a placa de Petri onde a prova ansiosa se manifesta indiscutivelmente. O tempo é o rigoroso sensor e censor da fala, do discurso, da frase. O que é um tímido? Talvez alguém anacrônico, arritmado. Sua demora em encontrar a ação, a fala adequada o faça ser tímido. Seria aquele cuja ferida não cicatrizou, portanto inseguro pondera aguardando mais indícios de normalidade para obter seu desejo. Conhecer seu território, lidar com situações conhecidas isso a maioria das pessoas, sendo tímidas ou não precisam fazer. Quem não possui essa habilidade em plena funcionalidade torna a timidez evidente. Num maior ou menor grau todos somos tímidos. É por isso que se encontra peças de teatro previsíveis, aborrecidas. Porque andam em chão confortável e isso as pessoas encontram em casa, na rua, no trabalho... mesmo com as notícias do jornal, mesmo com os acidentes, crimes que possam ocorrer com elas ou com pessoas próximas... no teatro aprofundado algo nada tímido, nada confortável, nada preso ao solo, nada sólido, consistente e seguro, acontece. Assim: a música não pode ser tímida, a poesia não pode ser tímida, a novela não pode ser tímida, a pintura/ escultura, instalação não podem ser tímidos... porque senão os tímidos não apreciarão a Arte.



One of my most read posts is the “Teatro não é a salvação dos tímidos” (Theater i'ns't rescue for Shy Ones- unfortunatelly not translated, really sorry!). An impressive rate of 700 % over from the 2nd most read post on blog . Some comments criticize my stance. First, It's necessary to know what is the theater for each one. The theater is for every public or who does? The theater should appeal (even if unpleasant ) or provoke revulsion (complete disgust) ? My opinion is that the theater goes through all these conditions . It is a state, a level of existence: the individual exists at home, wear uniforms to work, their masks when walking in the street, drive the car , find friends that love or not and other conventions when watching television, transits through the virtual network or go to the theater . The theater is for those who make a territory free with rules. Can act freely, but, even there, there are rules. Actually the theater imitates, reproduces, describes freedom , but are stuck with powerful bounds of aesthetic and beauty. A severe rule in the theater is the time. No feeling resists time. Nothing remains in life and the theater is the petri dish where the evidence manifests arguably anxious . Time is the rigorous sensor and censor speech , the speech of the sentence . What is be timid ? Maybe is someone anachronistic , without rithmin. His delay in put himself in action, finding the proper speech, makes him a classic shy one. It is one whose wound has not healed and ponders awaiting for more signals of safety to target to his desire . So knowing his territory , dealing with familiar situations is the what the most people have , being shy or not . Who does not have this confortable skill turns shyness relevant. Everyone is timid in a more or little grade. That's why some plays are predictable, boring . They raise on the comfortable floor and so people knows at home, in the street , at work ... even with the news of the newspaper , even with accidents , crimes that may occur with them or people close ... A deep Theater something nothing shy at all comfortable , nothing stuck to the ground , nothing solid , consistent and secure, happens . Thus : the music can not be shy , poetry can not be shy , the novel can not be shy , painting / sculpture, installation can not be shy ... because otherwise the timid ones do not appreciate the art