quarta-feira, abril 10, 2013

OS BONECOS DE PULSO DE ZAKHAROV


Tive a oportunidade de conhecer o trabalho da italiana Laura Bortolomai e seu boneco de pulso. Pesquisando na rede encontrei o seu mestre, Vladimir Zakharov. Aqui uma tradução parcial do texto em Russo em seu site e alguns vídeos de trechos do espetáculo do mestre. Empenhei uns bons dois meses para traduzir e encontrar esse material; acredito que essa técnica seja muito relevante e pode abrir uma avenida ou perspectiva, de novas descobertas de manipulação. Abaixo, uma coleção de vídeos de um espetáculo. São três vídeos que perfazem 30 minutos. Uma nova classe de boneco é chamado “boneco de pulso”, “Cucla na Zapiést'ié” em fonético russo. Seu designer é Vladimir Zakharov, um homem extraordinário, especializado em robótica, ator, cantor, escritor, escultor. Criou e desenvolveu esse novo tipo de boneco. Olga Kushkova não é somente sua esposa mas sua musa no teatro. Olga e Vladimir fazem tudo eles mesmos: constroem bonecos, escrevem as peças, atuam etc. Cada uma de suas peças é o evento de suas vidas; são completos, brilhantes e reais. Uma vez que você os tenha assistido tornar-se-a fã para sempre. Zakharov deixou a carreira de engenheiro em design robótico, trabalhou por alguns anos em uma companhia de teatro de bonecos de Tomsk, no sul da Russia, chamada “Skômaróh” (Palhaço). Os bonecos de bem conhecidas produções da companhia, no período, foram construidas por ele. Por fim , Zakharov e Olga deixaram a Cia. Skômaróh para se aplicar em sua própria companhia de bonecos. A primeira produção foi “Jam iz Struchka” , algo como “João do Pau”, escrita por eles mesmos. O conhecimento em robótica teve grande interferência em seu teatro de bonecos. Sem confiar em suas habilidades manuais na manipulação do boneco buscou suprir sua própria deficiência com extensões mecânicas. Não tinha um ideia inicial e foi buscando, tentando encontrar algo satisfatório. O protótipo de sua invenção foi um boneco fixo na mão em que os dedos indicador e médio funcionaram como pernas. O momento mais importante foi encontrar o controle da cabeça através do movimento da mão e do antebraço. Com surgimento deste boneco, ficaram estimulados a fazer outras peças. A tarefa em seguida foi descobrir em que espaço este novo boneco poderia explorar. A primeira peça após essa longa busca resultou num palco, um cenário apropriado, com grande efeito dramático a muito desejado. Ao lado da caracterização das personagens, a peça colocou algumas questões como: seria interessante para crianças, adultos, e até mesmo para aqueles que o escreveram e se puseram a atuá-lo. Nas primeiras experiências de pintura tentou-se algo tradicional, mas isso logo demonstrou-se equivocado. Um boneco vívido não necessariamente corresponde a uma pintura sem significado na face quando se tem olhos e bocas vivos. A cabeça construiu com madeira e os para os olhos usou esferas negras. O olhar tornou-se mais inteligente, o boneco me sí ficou mais suave e vivo ao tratar a adeira apenas com cera de abelha. A partir disso tornou-se tradição usar o raiz de cedro para a confecção dos bonecos. O cedro provou se ótimo, de preferência, para combinar sistemas de boca e olhos. Alem da simplicidade da estrutura, a conveniência e confiabilidade é tanta como os de papier machê. O principal cuidado na construção do boneco é o ajuste para que o boneco torne sensível a qualquer movimento da mão do ator. Assim o boneco é capaz de responder a tudo por si mesmo. Alguém percebeu que o boneco protótipo não estava respondendo corretamente. O mecanismo de transferência entre a cabeça e o pulso ficou colocado muito acima do pulso, sob a manga da camisa e isso dificultou as ações. O projeto seguinte a esse protótipo resolveu alguns problemas como: esconder os controles sob a mão, evitando que no fundo do boneco o sistema se enrosque no pulso e seja possível ao ator trabalhar coma mão aberta (sem luva), trabalhar o controle da boca e dos olhos, acionar as mãos e dedos do boneco e assim lidar com algum adereço ou objeto, mudar a posição da mão. O novo boneco tornou-se isso possível trabalhar lado a lado com um ator em igualdade de vivacidade.

2 comentários:

SergioRDG disse...

Fantástico! Os dedinhos articulados! Como o cara faz isso? E como é o movimento da cabeça?

Jorge Miyashiro disse...

Cara, não sei!
É coisa cibernética, tem um cálculo que não é de boneco, é de robô!!!
Ele mexe o pulso para cima e para baixo a cabeça se move; mexe para os lados, as mãos se movem, algo assim...