segunda-feira, fevereiro 28, 2011

A ILUSÃO DOS MÚLTIPLOS


English written at downside.

Umas das habilidades para solistas em teatro de luvas ou fantoche é fazer o público crer que há mais de um manipulador atrás do pano. Um solista pode, caso se leve me conta o total da operacionalidade em manobras tradicionais de um boneco, elevar dois simultaneamente. Entretanto, em geral o consenso geral do público é que sempre haverá um boneco para cada manipulador; exceção no caso em que o manipulador revele sua presença com bonecos inclinados, um dos bonecos inerte enquanto outro está ativo etc.
Público é amante do ritmo e da lógica linear. Esse é o território seguro, o ambiente familiar, nele o público pode desmontar uma narrativa ou ser carregado por ela. O ritmo permite criar uma forte ilusão de presenças para o solista. Embora tenha dois bonecos em cena, nada impede a aparição de outros bonecos, no entanto outro boneco só poderá subir ao palco com a saida de um dos bonecos em cena. A técnica é manter a cena num ritmo e quando um boneco sai de cena a mão do manipulador troca o boneco num ritmo duas vezes mais acelerado para retornar em seguida no ritmo de cena, mais lento. Para o público, a percepção sera que o boneco estava aguardando o momento de entrar em cena, portanto deveria haver um segundo manipulador atras do pano.

….........................................

...OR: HOW TO BE MORE BEING ONE

One of the skills for soloists in glove puppet theater is to make the public believe that there is more of one manipulator behind the scenes. A soloist may, if it takes to the total number of operational maneuvers in a traditional puppet, raising both, puppetes in two hands, simultaneously. However, overall the general consensus is that the public will always be a puppet for each handler, except in cases where the handler reveal his presence with puppets inclined, or, one of the puppet inert while other is so active.
Public loves the rhythm and linear logic. This is the safe area, familiar place, it can dismantle the public a narrative or be carried for it. The pace allows you to create a strong illusion of presence for the soloist's work. Although two puppets on stage, nothing prevents the appearance of other puppet, doll and yet another can only go on stage with the departure of one of the puppet on the scene. The technique is to keep pace in a scene when a puppet and leaves off the hand of the puppet handler exchange at a rate twice as fast then return to the stage at the pace slower. For the public, the perception will be that the puppet was waiting to go onstage, so it should be a second manipulator behind the scenes, by them judgement.

quarta-feira, fevereiro 23, 2011

O FILHO DE UM ARTISTA

IN ENGLISH DOWNSIDE
...na rede todos os apelos, todos os dramas familiares de crianças flageladas por tragédias, violências e doenças de nomes desconhecidos. É tanta notícia que se torna ruido e ruido a gente abaixa ou elimina. E as nossas vidas prosseguem entre banhos diários de endorfina.
Esse apelo eu não pude ignorar. O apelo de um dos artistas bonequeiros mais talentosos que conheci. Um mestre da manipulação e dos mecanismos; um dos poucos a alcançar um nivel de sutileza, leveza de respeito pelo boneco. Um inventivo brasileiro como deve ser um brasileiro tão apregoado por nossas instituições e mídias. Um homem a quem tenho profunda admiração, em pleno auge de carreira, viajando para China, Europa, por toda a América Sulamericana... hoje abatido pelo medo. Um medo que envolveu toda a sua família: sua esposa Viviane, seus filhos... um medo chamado DISTROFIA MUSCULAR.
PAULO NAZARENO quer apenas entender, quer entender o que acontece com seu filho. Amigos orientam e dão receitas, indicam terapias. Eles tentam de tudo. Eles estão desesperados!. Eles são mais um, mais uma notícia de drama familiar.

Por que essa notícia não é mais um ruido?
Porque como mais um habitante da rede sou egoísta o suficiente para saber que qualquer coisa que ataque essa família, provocará um dano contra a arte bonequeira. Sim, talvez isso forje um homem mais centrado, mais sábio; talvez o Allain supere sua doença encontrando a cura. Portanto apenas saiba... apenas reflita e não veja essa notícia como um ruido a mais.
Força Paulo!
SAIBA MAIS EM :http://allanimanuel.blogspot.com/

... all calls on the world wide web, all the family dramas of children plagued by tragedy, violence and diseases of unknown names. It's so much news that makes noise and noise we lower or eliminate. And our lives are continuing between daily showers of endorphins.
That call I could not ignore. The appeal of one of the most talented puppeteer I've met. A master of manipulation and mechanisms, one of the few to achieve a level of subtlety, lightness of respect for the puppet. A Brazilian inventive as it should be a much-hyped Brazilian by our institutions and media. A man whom I have deep admiration booming career, traveling to China, Europe, across South America ... today shot down by fear. A fear that involving the entire family: his wife Viviane, his children ... a fear called MUSCULAR DYSTROPHY.
PAULO NAZARENO just want to understand, or understand what is happening with your child. Friends guide and give receipts, indicate therapies. They try everything. They are desperate!. They are one more, one more story of family drama.

Why is this news is no longer a noise?
Because as another inhabitant of the network I am selfish enough to know that anything that attacks the family, cause harm against art puppetry. Yes, perhaps this man to forge a more focused, wiser, perhaps Allain overcome their disease finding a cure. So just know ... just reflect and do not see this news as a noise more.
Paul Force!
MORE ON: http://allanimanuel.blogspot.com/

terça-feira, fevereiro 22, 2011

In English at downside.

Fevereiro de 2011, momento de avaliar 2010.
Ganhei dinheiro e perdi dinheiro. Pronto, avaliei!
Mas posso, numa boa econometria, ponderar sobre as variaveis, ou pela poesia, a sutileza das ocorrências do fluxograma anual... engraçado, "fluxograma" parece bula de absorvente íntimo; pois bem, ganhar dinheiro foi bom aparte da decepção posterior de perde-lo.
Alguma perda foi boa.
Investi a fundo perdido no Cobal, o grupo de teatro de bonecos do colégio estadual do bairro, o resultado é que ainda esse ano elas podem trabalhar com teatro de bonecos! A Marli, a professora de Português que assumiu a direção do grupo contou que a Bruna, uma magrelinha loira da 6ª série, aquela que na estréia do espetáculo disse ao pai que iria dormir cedo para despertar no seu "grande dia". Pois a Bruna do nada pegou uma vassoura e varreu o chão da sala de aula, um guri tirou sarro dizendo que esse seria o emprego da Bruna, faxineira. A Marli cortou o papo do garoto pois, em sua visão, a Bruna era a única na classe que tinha condições de não viver de faxina. Poderia ir ao calçadão daqui de Curitiba apresentar-se com bonecos e ganhar bem mais que uns trocados. Diante das perplexas pupilas dilatadas do garoto, Bruna vislumbrou a rodovia de oportunidades que descortinou diante de si...
Teatro de bonecos é assim, uma grande trama de oportunidades descortinando-se diante dos olhos. Com os bonecos na mão e nada de rebeldia artística, conflito de individualidades criativas, pode-se MANIPULAR ao limite extremo os atores bonecos. O boneco só não dará mais quando o manipulador não puder dar também. Uma justa troca, o infeliz limite do invólucro humano. Acontece do ator ter muito a doar apesar da mediocridade da direção. No teatro de bonecos, com o solista, não!
É só isto , é tudo isto.
O adoravel levitar de não ter para onde ir! O que fazer com os bonecos? Qual drama para adensar a narrativa? Sob que apoios caminhar?

Falando em dar mais. Foi o ano em que passei a interessar-me por matemática, algoritmo, equações. Andei Buscando alguma coisa. É um desafio, um trauma a ser trabalhado.
Matei cinco livros em ingles! A série naval do Patrick O'Brien. usei de tudo; tres dicionários, google tradutor, até notas de rodapé.
De novo bonecos, passaram a mover bocas olhos em corpos sólidos de madeira. Na semana passada, só por ironia, aprendi a fabricar bonecos de latex, na companhia do Alfredo e da Inece Gomes. Para que madeira, afinal; se posso usar tua seiva!
Sobre seiva, essência e metas foi um ano que pensei seriamente a voltar estudar Direito! Sergião Del Giorno contou sobre a tirinha dos atores na mesa do boteco torcendo a fuça para um "enternado"; alguns anos depois os próprios vestindo terno para apresentar um "projeto"para o empresário, munidos de todo o marketing, resultados de lucro e valorização de marca, e demais ferramentas e argumentos; outros anos se passam heis os fantoches do destino pagando obediência na corte do tribunal por malversação da verba orçada... ars, gratia, ars! Grrrrauurrr!
De resto, a alegria de ver meu filhote de 4 anos cantar "adocica meu amor aaaaadocica..." com o cara empinando a pochete na campanha da Skol!... leve-me, ó vida!

February 2011, it's time to consider 2010.
I've made money and lost money. Okay, I considered!
But I can in a good econometrics, ponder the variables, or on the poetry, the subtlety of the events of the annual flow chart ... funny, "flowchart" seems bull of sanitary napkin, well, money was good apart from the disappointment of losing it later.
Some loss was good.
Sunk in Cobal, the group of puppet theater in state college district, the result is that later this year they may work with puppet theater! Marli, she is the professor of Portuguese who took the helm of the group told that Bruna, a skinny blonde 6th grade, one that at the premiere of the puppet theater told to the father that she would sleep early to wake up in your "big day". Bruna's grabbed a broom and swept the floor of the classroom, a kid pissed off saying that this was the job of Bruna, a maid. Marli cut the talk of the boy because in his view, Bruna was the only over the class that could afford to not live up cleaning. Could go to the 15th Street, here in Curitiba present with puppetss and earn much more than a few bucks. Faced with the perplexing dilated pupils of the boy, Bruna saw the highway of opportunities that unfolded before her ...
About sap, essence and goals was a year that I thought seriously to return to law school! Del Giorno, Sergião, told about the actors at the table of the bar hoping to poke for a business man, some years after the same actors with suit to present themselves a project to the same business man on target to sell that project, armed with all the marketing, profit and valuation results brand, and new tools and arguments, other years have passed here is the puppet of fate in court by paying obedience of court for misappropriation of funds budgeted ... ars gratia ars! Grrrrauurrr!
Moreover, the joy of seeing my baby 4 years singingteh music with the guy with the fanny pack prancing in any beer campaign... Take me, Oh life!

domingo, fevereiro 13, 2011

Thinking along a puppet show.


I was in Sao Paulo. I did a show on a sunny Sunday, in a public library, within a program from a friend. On Monday, I gave a lecture to the students who learned to animate various types of puppets. For years I did not speak at a lecture, during the talking I forgot the words as a rabbi, names of important artists, old people stuff.
I have noticed that the way we do theater is the way we did in the 1990s. Maybe people have changed and the knowledge does not accumulate in their minds anyway. While science grows, the art develops, this does not mean that society follow this evolution and development. It is my impression that much of what is said during the show, is not perceived by the audience. Because while the world grows, people do not grow together.
The question is should then make art more understandable? Or as one does in business, adapt to consumers' wishes?
Talking with Henrique Sitchin, director of Cia Truks, we found a common frustration with the common complaint from parents about certain scenes that they believed to be inadequate for the perception of the world of their children. Henrique complained, that the theater should be a fantasy world all beautiful? Why can not revel the theater the world and its problems, problems that afflict adults? For my part I complain: why adults do not realize that the problem is not in theater but in how we all deal with the world including children? Hiding the cause of problems, wrongly blaming the system when many times it is our fault?

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

O SENHOR DOS SONHOS NO PLAYGROUND DO IRRACIONAL


Nesse fevereiro tórrido e um pouco turbulento, encontrei-me com HENRIQUE SITCHIN na Biblioteca Monteiro Lobato para gravar essa entrevista. Sitchin relatou em 40 minutos suas francas impressões sobre o ambiente do teatro de bonecos, o impacto de seus espetáculos sobre a mentalidade do público. Infelizmente, editado, o vídeo ficou reduzido a esses essenciais 7 minutos para poder ser postado. Mas a idéia fundamental permaneceu, a inquietude desse produtor, artista, sonhador, viajante, poeta da imagem e generoso apoiador da arte bonequeira. Conheçam um pouco mais de O SENHOR DOS SONHOS NO PLAYGROUND DO IRRACIONAL.

domingo, fevereiro 06, 2011

COM OS PÉS DESCALÇOS NO TEATRO...



Se é exigido do ator a disciplina, da platéia tambem se exige. Assim como não é possivel bom desempenho de um ator sem preparo, uma platéia com o físico indisposto arruina não somente sua percepção do espetáculo, como tambem, de alguma forma o próprio espetáculo. PÉS DESCALÇOS a nova produção da Cia. Morpheus, vem demonstrando que a união entre João Araújo e Verônica Gerchman foi acertada. Sem medo de errar, a Morpheus chamou Luana de Lucca, Dani Boni e Yuri de Franco; os dois últimos além de atuar e manipular os bonecos, cantam e tocam instrumentos. Este novo trabalho tras uma energia renovadora, elenco jovem, a prática de bons clowns clássicos que transmitiram à manipulação dos bonecos a consistente alegria, delícia e aventura de fazer teatro. Verônica disse que PÉS DESCALÇOS foi criado a partir dos exercícios no Centro de Estudos de Animação do Teatro de Bonecos, dirigido por Henrique Sitchin, até chegarem ao atual resultado.
Portanto o saldo do meu dia foi: após uma extenuante apresentação do Luvazine, no calor de 30° de São Paulo, meu cunhado decidiu oferecer uma chuleta assada de 10cm. de altura; cem razão dos meus princípios religiosos que proibem rejeitar, amaldiçoar e principalmente, comer pela metade qualquer alimento. Mandei o gado para o hades do meu estômago; antevendo um resultado trágico, programei a desculpa à Verônica, caso desmaiasse durante o PÉS DESCALÇOS, de que devido ao legado de Adão e a maldição de Lúculo. Qual o que! É um excelente espetáculo, delicioso, não precisei acotovelar o meu cunhado, nem eu cabeceei, gostaria que considerassem esse fato um elogio: teatro depois do almoço, 14h., uma façanha! Na verdade deitei algumas lágrimas, pois a relação de duas crianças se preparando para enfrentar a crueldade e cinismo do mundo adulto, me toca profundamente, seja num conto de Charles Dickens, seja num espetáculo da Truks/ Morpheus... Vá lá e prove que voce tem disciplina!
SESC Santana- próximo sábado 14h. R$8,R$16.