quarta-feira, julho 13, 2011

O ESTADO SUBLIME DE SER ARTISTA...................... THE SUBTIL STATE OF BEING ARTIST



Qual a fronteira entre o estado de Arte e a arrogância?
Tenho ouvido que para atingir a realização artística plena é preciso não abdicar das intenções para lá chegar. Não fazer concessões, não buscar caminhos fáceis, não desistir até atingir a proposição. Todos sabem que conceder, facilitar e desistir é o meio caminho para realizar num Estado (governo, país, nação) que não presta o devido respeito ao idoso, ao professor, ao policial (sim), quanto mais ao artista. É praxe na minha cia., reduzir as exigências de luz, produção de trilha sonora simplesmente porque o dinheiro, um bom valor, não é uma soma polpuda. Não digo que o serviço será gratuito, mas o outro "artista" sente-se sub-remunerado e entre dar liberar seus canais criativos prefere retê-los na esperança de um pagamento maior. Esse comportamento, talvez, tenha gerado uma corrida por dinheiro público, como é chamado a dotação obtida nos editais. Já relatei o que um desses servidores expressou a mim: o governo não pode sustentar o artista.
Hoje percebo que para um governo acreditar que possa "sustentar" um artista seria no mínimo uma petulância. Sempre acreditei que ao receber o dinheiro advindo de impostos pagos inclusive por mim, estaria eu, um artista, AJUDANDO o governo a bem relacionar com a comunidade e os pagadores de impostos. Afinal que propaganda melhor que um bom espetáculo? O que trás mais votos? Boas campanhas publicitárias ou prontidão no atendimento ao cidadão? Acreditar que pagando um salário o governo tem o poder sobre a fonte criativa do artista, bem se sabe, é no mínimo ingênuo senão idiota.
Particularmente, a mim, o estado de arte esta imerso num núcleo íntimo. Ali ele estabiliza, equilibra, pende até desaparecer como uma núvem. Realizar, catalizar esse estado num espetáculo, numa pintura, numa imagem materializada. Que desafio!!!


...........ENGLISHED........................................

Where begins and ends the state of art and arrogance?
I have heard that to reach full artistic achievement one must not abdicate their intentions to get there. Do not make concessions, not to seek easier ways, not give up until the proposition. Everyone knows the used to be is to facilitate and give up half way to conduct a State (government, country, nation) that does not pay due respect to the elderly, the teachers, the police (yes), as more the artist. It is customary in my co., Reducing the requirements for light, producing the soundtrack just because the money, a good value, there is a hefty sum. I do not say that the service will be free, but the other "artist" feels underpaid and between channels to release their creative prefer to retain them in the hope of a larger payment. This behavior, perhaps, has generated a scramble for public money as it is called the allocation obtained in the tally sheets. It reported that one of these servers has expressed to me: the government can not support the artist.
Now I realize that to believe that a government can "sustain" an artist would be at least a tantrum. I have always believed that when government got the money coming from taxes paid even for me, would I, an artist, help the government to well serve, pay back to the community and the taxpayers. After all are the advertising better than a good show? What brings more votes? Good advertising campaigns or readiness in responding to citizen? Believe that paying a salary the government has power over the source of the creative artist, is well known, is naive at best a idiot.
Particularly, for me, the state of the art immersed in this innermost being. There so it stabilizes, balances, hangs like a cloud until it disappears. To catalyze this state into a spectacle, a painting, an image materialized. What a challenge!

Nenhum comentário: