domingo, fevereiro 06, 2011

COM OS PÉS DESCALÇOS NO TEATRO...



Se é exigido do ator a disciplina, da platéia tambem se exige. Assim como não é possivel bom desempenho de um ator sem preparo, uma platéia com o físico indisposto arruina não somente sua percepção do espetáculo, como tambem, de alguma forma o próprio espetáculo. PÉS DESCALÇOS a nova produção da Cia. Morpheus, vem demonstrando que a união entre João Araújo e Verônica Gerchman foi acertada. Sem medo de errar, a Morpheus chamou Luana de Lucca, Dani Boni e Yuri de Franco; os dois últimos além de atuar e manipular os bonecos, cantam e tocam instrumentos. Este novo trabalho tras uma energia renovadora, elenco jovem, a prática de bons clowns clássicos que transmitiram à manipulação dos bonecos a consistente alegria, delícia e aventura de fazer teatro. Verônica disse que PÉS DESCALÇOS foi criado a partir dos exercícios no Centro de Estudos de Animação do Teatro de Bonecos, dirigido por Henrique Sitchin, até chegarem ao atual resultado.
Portanto o saldo do meu dia foi: após uma extenuante apresentação do Luvazine, no calor de 30° de São Paulo, meu cunhado decidiu oferecer uma chuleta assada de 10cm. de altura; cem razão dos meus princípios religiosos que proibem rejeitar, amaldiçoar e principalmente, comer pela metade qualquer alimento. Mandei o gado para o hades do meu estômago; antevendo um resultado trágico, programei a desculpa à Verônica, caso desmaiasse durante o PÉS DESCALÇOS, de que devido ao legado de Adão e a maldição de Lúculo. Qual o que! É um excelente espetáculo, delicioso, não precisei acotovelar o meu cunhado, nem eu cabeceei, gostaria que considerassem esse fato um elogio: teatro depois do almoço, 14h., uma façanha! Na verdade deitei algumas lágrimas, pois a relação de duas crianças se preparando para enfrentar a crueldade e cinismo do mundo adulto, me toca profundamente, seja num conto de Charles Dickens, seja num espetáculo da Truks/ Morpheus... Vá lá e prove que voce tem disciplina!
SESC Santana- próximo sábado 14h. R$8,R$16.

2 comentários:

Dani Boni disse...

Hoje, a conversa contigo Miyashiro, proporcionado pelo Centro de Estudos e Práticas de Animação na Biblioteca Lobato, muito nos acrescentou. Particularmente fiquei tocada pela pensar cada boneco como uma possível manifestação de um dos nossos tantos eus, um fragmentar de nossa personalidade. Esse distanciamento, além de tudo, possibilita deixar de lado como habitualmente responderíamos em nossa vida ordinária, e dá voz a uma característica que incorporada no boneco vem sem críticas ou censuras, pura como uma essência. Sem julgamento de bem ou mal. Fiquei e fico sempre tocada também sobre o que está oculto no teatro de animação, que não pode ser passado através da técnica, ou de um pensar mais cientifico. Está magia do que tem alma, do que tem anima. Bom, venho através dessas palavras agradecer muito por essa troca possível no caminho. Agradecer a conversa sincera que pudemos trocar e seu respeito com o nosso trabalho do Pés Descalços. Meu respeito e admiração e recíproco com o seu trabalho. E confirmo aqui que sua afirmação sobre o encontro do João com a Verônica, é realmente muito feliz, assim como a chegada do Yuri e da Luana na Cia. Morpheus.

Jorge Miyashiro disse...

Dani!
Desculpa a fuga, achei que vc. ia aproveitar a carona com o Henrique!
Como eu disse, arte em qualquer aspecto dá menos lucro do que o esperado, mas faz a gente sentir gratificado quando encontra uma obra como a de voces; me faz sentir que não fiz uma escolha errada!
Boa sorte e um beijo!