quinta-feira, abril 29, 2010

SUPERNATURAL AIRING

Professor Concertino airing thorough in Curitiba discover landscapes, scenaries and mysteries. In this episode find Hansel and Gretel way to the Witch's den.

quarta-feira, abril 28, 2010

PASSEIO SOBRENATURAL

PROFESSOR CONCERTINO PASSEIA PELA CURITIBA FANTÁSTICA, MISTERIOSA, CAPITAL DE TUDO E DE NADA. NESTE EPISÓDIO, ENCONTRA A TRILHA DE JOÃO E MARIA PARA A CASA DA BRUXA... QUANTAS CRIANÇAS ENCONTRARAM A REALIZAÇÃO DO MAL NESSE INTERCURSO? O PROFESSOR CONCERTINO RESOLVEU ENCARAR! GO TEACHER!!!!!!

NOVO SITE DO KARAGOSK


Marcello Andrade envia o novo endereço do site da melhor sombra do Paraná!
Vejam através da penumbra e comprovem.

quinta-feira, abril 22, 2010

ENCANTA BRASIL

Bernardo Sicuro em Encanta Brasil

Fandango com Alejandro (China) e Paulinho de Jesus.

O brega... o brega...!

O sertanejo e o Avatar

Sicuro, Miiler e Alejandro (China)

Boneca do alto da empanada

Quarta-feira,22 de abril de 2010, 19h. Teatro Positivo, espetáculo da Cia. Manoel Kobachuk: ENCANTA BRASIL.
Previsão de pancada de chuva, o inevitável congestionamento e tres kilos de alimento para doação ao Hospital Pequeno Príncipe. Eu a Lu e o Felipe resolvemos encarar e lá estávamos antes do céu cair.

O mais fascinante no palhaço é saber que ele, o mais cômico dos artistas é o mais solitário, o mais inadaptado, defeituoso, assimétrico. Não é geométrico como o trapezista, nem corajoso como o domador de feras, nem tem o truque na manga do mágico, nem o carisma do apresentador: ele é apenas engraçado. E como toda piada, perde a graça quando se conta pela segunda vez... assim somos nós. O bonequeiro tem muito de palhaço e pouco de ciência, sempre se renova, para que a piada não perca o viço.

E lá estávamos assistindo o encantamento do espetáculo do sr. Manoel Kobachuk, mesmo com nossos corações roidos, nossas mentes nubladas. No palco estavam eles empenhando toda a força para maravilhar, desprender a efêmera irradiação solar de um espetáculo... isto é apenas teatro, nada mais, tudo o mais.
Felipe, com tres anos, após tres ou quatro teantativas, inaugurou sua apreciação para uma peça: dançou, acompanhou com palmas, vibrou, assistiu todas as cenas.
Nos, como pais, sendo ele o alfa e ômega de nossas vidas, ficamos felizes em vê-lo crescer. Ficamos felizes, agradecidos, que a iniciação do menino foi na grife do velho Kobachuk. Sentimo-nos juntos, comungados, cúmplices e fraternos com algo que amamos. Sentimos que vale a pena fazer parte dessa família anomala dos bonequeiros; que como toda família amorosa, destemperada, futil, ambigua, referencial, nutricional: continua permanente.

A gente aqui manda 10.000 megatons de energia para a Doroty, verso, prosa e caminho do Manoel; e mais uma guirlanda planetária de beijos.
Temos fé e desejo de ve-la conosco e ouvir suas deliciosas risadas e sua conversa gostosa.

Um beijo para a Maysa, Edward, Lino, Sergião e Verônica.
Ainda bem que vcs. existem!

segunda-feira, abril 19, 2010

ADEUS DOUTOR JORGE!


Heis que passou, meu pai, Jorge Miyashiro.
Para quem não sabe sou Júnior, adotei o nome do meu pai talvez pelo mnemonismo, talvez para a secukarização do nome de família; quem poderá dizer?
Ele nada tinha em especial. Um bom pai como todos são, menos os crápulas.
Talvez não mereça uma estátua em praça pública, nem uma póstuma sessão solene na Câmara Municipal de Bauru, já foi titulado Cidadão Bauruense por obra de um vereador amigo.
Da minha parte Jorge Miyashiro poderia ter acreditado mais em mim, é apenas o lamento perfeccionista, um tanto egoista de um filho ambicioso, carregado de pecados.
Lamentei muito mais a morte da minha mãe.

Curioso foi que durante o velório do homem, percebi a lágrima no rosto das pessoas mais simples e humildes. Essa foi sua obra silenciosa. Pessoas desesperadas que iam até ele em busca de uma solução. Pessoas que não tinham meios de pagar por seus serviços advocatícios e que agora retribuíam com o pranto.
Sabia o trâmite para obter a aposentadoria para inválidos, remédios de preços astronômicos para pobres e jamais negava uma elegante cortesia.
Uma história que ele contou e guardo com orgulho na pequena saga mitologica da minha família:
Quando delegado de polícia, chefiava o arquivo criminal, aquelas fichas de pessoas suspeitas que mais serviam para extorquir do que promover a segurança pública, coisa da ditadura, as fichas não serviam para mais nada mas a burocracia funcional exigia sua guarda... Uma ex-cafetina veio até ele e pediu um favor. Ela teve um filho e lutou muito para sua formação e o resultado foi que esse rapaz assumiu um cargo de autoridade numa pequena cidade. A ex-cafetina foi então considerada "senhora de respeito, mãe da autoridade", quase nobiliárquico. Pediu para apagar sua ficha de suspeitos que poderia servir para a extorsão do filho. Meu pai solicitou que trouxessem a ficha daquela senhora e rasgou-a diante dela.
Outra que mostra o caráter impetuoso do Miyashiro foi quando a polícia cercou o notório assaltante João Cardoso. Esse bandido temeroso enfrentava à bala a polícia, punha de joelhos a sociedade bauruense da década de 70. nada comparado com os PCCs de hoje, mas a maioria dos bauruenses perdiam o sono ao ouvir o nome João Cardoso. O cerco gerou um impasse, ele não podia sair do esconderijo e ninguém queria entrar. Era uma tarde de sábado, modorrenta, Dr. Jorge Miyashiro saiu de casa e foi até o Jardim Cruzeiro do Sul onde ocorreu o cerco. Sem colete à prova de balas (nos anos 70 isso era equipamento de filme americano), desarmado, entra na casa do meliante e o faz render-se evitando um desnecessário derramamento de sangue. Muito tempo depois meu pai e eu encontramos um senhor que o cumprimentou como se estivesse diante de um patriarca familiar. Separamos e meu pai, não sem um vacilo na voz pois era apenas cumpridor do dever profissional e revelou: esse era o João Cardoso.
E quando os presos tentaram incendiar a antiga cadeia pública de Bauru, ao lado da rodoviária. No começo de noite, meio da semana, antes do Jornal Nacional meu pai saiu de casa, bravo porque ia perder a edição do jornal. Ninguém quis negociar com os presos exaltados. Rebelião selvagem, coisa feia. O delegado assistente da seccional subiu até as ameias da cadeia e postado como e diretor de escola (das antigas) iniciou o diálogo, os presos reconheceram quem estava falando: o delegado duro que não fazia sujeira etc. O tom da rebelião diminuiu, meu pai propos um acordo, os presos recusaram: -Ah é assim? Vou mandar a tropa de choque (da PM, ele que era da polícia civil!!!!!). E termina a rebelião.
Meu pai, que ajudou na lavoura, professor de ingles, bancário, agente do juizado de menores, delegado de polícia e advogado, enfrentará seu julgamento superior com esse currículo, sem importar-se com homenagens terrenas, levando junto a saudade dolorosa de quem tocou sua mão estendida.

sábado, abril 10, 2010

NOVA PEÇA-PROFESSOR CONCERTINO


Pronto senhoras e senhores! Estou alforriado... Bom meio alforriado. Agora poderei dedicar um pouco a esse blog. PROFESSOR CONCERTINO está pronto! Claro que tem um monte de pernas para ajustar mas isso é mole.
Vai ser uma ótima peça e como sei? Só terminei na véspera. Durante todo esse tempo estava completamente travado, não conseguia deslachar a idéia principal. Um pânico! Sentia como que afogando num poço... Dai, na semana passada, quando os objetivos estavam melhor definidos pego uma laringite monstro. Achei que fosse a h1n1, pensei em epitáfios, testamentos e como seria o mundo sem meu rastro, dramático, operístico, teatral assim!!
É uma peça que fecha um círculo pq. não vou usar empanada, a confortável e segura empanada, o pudico palco de pano e alumínio que vela e protege a nossa vida títere-burguesa, ô se é! Agora tenho que suar a camisa, olhar a cara do público, convence-lo de que não esta perdendo o seu tempo ali e principalmente: compromete-lo.
Voltei a ser ator na companhia de bonecos!
beijos meus queridos, vejos-os algum dia!

"Professor Concertino Melodia", da Miyashiro Teatro de Bonecos

Data e horário: de 11 de abril a 2 de maio, com apresentações aos domingos, às 11h

Local: Teatro do Piá (Praça Garibaldi, 7 - Setor Histórico)- CURITIBA-PR

Entrada franca