segunda-feira, julho 19, 2010

A IDENTIDADE DO TEATRO DE BONECOS DO PARANÁ

TEATRO DE BONECOS NO PARANA from Jorge Miyashiro Junior on Vimeo.

AS SINGULARIDADES QUE IDENTIFICAM O TEATRO DE BONECOS DO PARANÁ; CONTRIBUINDO PARA A CULTURA DIVERSIFICADA DO BRASIL E ASSIM MUDAR A FLUÊNCIA CURATORIAL PARA A MONTAGEM DE MOSTRAS MAIS RICAS E REPRESENTATIVAS. DESMOBILIZAR CONCEITOS QUALIFICADORES, DETERMINISTAS E CURATORIAIS DE "BOM E MAL". POSSIBILITAR A DENOMINAÇÃO DE ORIGEM PARA MATRIZES CULTURAIS, CARACTERÍSTICAS REGIONAIS. POSSIBILITAR A DIVERSÃO.

9 comentários:

Sergio disse...

Cara, cês são bons, hilários até quando estão errando. Têm potencial de serem os chon-chons paranaenses. Mandem ver.

Jorge Miyashiro disse...

Bem... vc. realmente é amigo. Mas é só o nosso pagode, um batebola de final de semana. Estar gravado é mídia na mão. Só isso. Qquer. hora a gente pode fazer umas dessas, venha para o time, po! TRaga as chuteiras, quer dizer, bonecos!
Bração!

Joba Tridente disse...

Ô Dupla Fandanga!
Bom Demais!
Era uma vez um mês chamado Julho, quando, com pinhão e leite quente, os Bonecatores daqui e dali do mundo de lá, faziam a festa de todos.
Mas eis que veio um tempo de estranhos latidos, de mandos e desmandos na ditadurarte, e el niño pegou a mão de el niña e refugiaram nas coxias de seus mestres.
Tempos difíceis. A Globalização foi pras cucuias. A Nacionalização se afogou nas águas de Março. A Estadualização se queimou numa fogueira junina. A Municipalização, aproveitou um descuido, pegou carona num balão e sumiu.
E aí, ninguém sabe e ninguém viu,
se aquela luz insistente era mais um Festival de Bonecos indo embora do Brasil. Ou um Farol de Esperança, na fronteira do Céu!
Mas, no alto de uma araucária, dizem que uma Gralhazul Gralhasul canta:
Cai, Cai, Balão! Cai, Cai, Balão!
Aqui na minha mão. Que "os piá" do Paraná, estão a te esperar.

T+
Abração!

Joba Tridente disse...

Ô Dupla Fandanga!
Bom Demais!
Era uma vez um mês chamado Julho, quando, com pinhão e leite quente, os Bonecatores daqui e dali do mundo de lá, faziam a festa de todos.
Mas eis que veio um tempo de estranhos latidos, de mandos e desmandos na ditadurarte, e el niño pegou a mão de el niña e refugiaram nas coxias de seus mestres.
Tempos difíceis. A Globalização foi pras cucuias. A Nacionalização se afogou nas águas de Março. A Estadualização se queimou numa fogueira junina. A Municipalização, aproveitou um descuido, pegou carona num balão e sumiu.
E aí, ninguém sabe e ninguém viu,
se aquela luz insistente era mais um Festival de Bonecos indo embora do Brasil. Ou um Farol de Esperança, na fronteira do Céu!
Mas, no alto de uma araucária, dizem que uma Gralhazul Gralhasul canta:
Cai, Cai, Balão! Cai, Cai, Balão!
Aqui na minha mão. Que "os piá" do Paraná, estão a te esperar.

T+
Abração!

Jorge Miyashiro disse...

Mas esse Joba... Se precisar de doação de sangue pode falar comigo. Fígado, baço, rim, pulmão... O coração não dá porque vc. já levou mais que a metade.
Bj. querido!

Bernardo disse...

CHON-CHONS? Eles são bons, mas nos pretendemos mais!!!!!

Jorge Miyashiro disse...

oH, sim!
Que venham muitos!
Ahahahaha!

Sergio disse...

Ahahaha, se tem uma coisa que eu não poderia oferecer pra doação é o fígado...

Jorge Miyashiro disse...

Ahhhh... Serve doação monetária então! Hahahaha!