sexta-feira, outubro 30, 2009

SABE ONDE TEM UMA CASA PRA MIM?

Mais um feriadão.
ainda bem que vou trabalhar. Última apresentação do SHISHI, O Comilão etc. etc...
Semana passada a pequena sala do Teatro do Piá lotou. Quatro examinadores do Gralha Azul apareceram (em geral aparecem apenas dois) sem mencionar o quinto que veio na semana anterior. Sérgio Del Giorno, titeriteiro da nova safra que desponta como um hausto no panorama curitiboca, deu o ar da graça da metade pro fim da peça; e finalmente, a presença adorável de Andressa Medeiros.
Andressa fala com voz menina, fala baixo, quase gutural, e bem articulada, tem um currículo inumano. Foi dirigida pelo Marcelo Marchioro, estagiou no ateliê de Manoel Kobachuk, formou-se em letras na PUC e partiu para Oxford. Nada disso seria tão impressionante se Andressa não tivesse largado tudo isso para casar e criar um garotão bonito de 7 ou 8 anos. Eta Andressa!

Enquanto uns se amam outros se repelem. Um grande amigo está divorciando de uma grande mulher.

Voltei a brigar com um proprietário.
Estou tentando comprar o apartamento, para nunca mais submeter a essa ditadura do aluguel.

Tudo isso, esse turbilhão de solicitações sociais, provoca náusea, o corpo parece que não se posiciona diante das referências do bairro. Tudo parece hostil, demasiadamente endofágico, predador.

Uma senhora interpelou-me, aqui nesse blog, sobre minhas atitudes que lhe pareceram a propagação da desumanidade nas relações.
Claro que ela mora em São Paulo, onde chegou aonde se chegou e agora a amistosidade mascara o medo por trás das cercas elétricas, muros e guaritas. Não se debate sobre a vitalidade do oxigênio a cada respirar assim como, no Sul, não se fala em ser legal onde a boa recepção é natural. Pode parecer demagogia, mas o curitibano acredita que é amistoso e cioso de sua intimidade, ponto final! Lembrem-se que sou paulista onde interpreto minha origem e percebo minha geografia... Uaaaauuu!

Ouvi de um afilhado do Sérgio e da Cris, pessoal do Ópera da Mala de São Paulo, que eles moram num bairro classe média alta (seria Perdizes ou Butantã???). E no meio dos casarões, compraram ou alugaram uma casa velha de madeira. Para ajudar, pintaram-na de todas as cores e colaram silhuetas de isopor de figuras fantásticas na parede externa.
Deixe para lá esse papo de mascaramento do medo, vamos aos fatos em si.
Ai eu penso: apartamento ou casa de madeira caindo aos pedaços? pois é só isso que meu dinheiro (que ainda não é meu) vai permitir comprar.

Enquanto isso, a oficina fica fechada. Não tem jeito de pensar nisso agora. Lidar com essa bastardia que é a classe de corretores e especuladores imobiliários, exige concentração muito maior do que enfrentar uma platéia desgarrada.

Se eu comprar uma casa de pau caindo pelas tabelas não esperem tertúlias dionisíacas. Principalmente porque a patroa não vai liberar o pedaço para o desenfreio das ninfas e sátiros da hora. No máximo um churrasquinho de gato regado a vinho da Santa Felicidade, ou então nosso clássico pernil assado em três horas (duro e com sabor de couro cru) para tres ou meia dúzia de amigos ultra chegados. Então a casinha seria o espaço de criação da MITEBO, local sério, de pesquisa e desenvolvimento do títere de luva. Afinal, hoje tenho 44 anos e tenho um garoto de 3. Sem falar do figo que já marinou bastante...

Mas sei lá, os amigos e desconhecidos poderiam aparecer de surpresa, e quando todos estivessem dando risada tiravam os engradados do porta-malas, e quando se desse conta, já foi e que se dane. Convide a polícia para tomar uma ou duas geladas. É isso aí...
Me ajudem a achar uma tapera antes do dia 15/11! É quando tenho que dar a resposta pra esse cuzão capitalista, dono dessa porra de ape!!!!

bjs.

p.s.:
VOCABULÁRIO DO FELIPE

MIMI: ônibus (que buzina mi-mi)
IAU: Gato
IAU: leitede cabra batido com banana e mel.
TRILO: trilho
PAI: Pare! (placa de PARE)
PAPAI: Papai
MAMÃE: mamãe
La, la, la...(cantando): Iaaa, iaaa, iaaa
E todas as onomatopéias zoológicas que descrevem os bichos que ele conhece: porco, macaco, elefante, dinossauro etc.

3 comentários:

Adrianne Ogêda disse...

Xi rapaz, respira e reza. (: Indiquei seu blog no meu blog (êta frase feia). Boa procura, bom encontro de apê.
Adrianne

Jorge Miyashiro disse...

Verdade!
Pranayama, meditação transcedental, corrente do amor, reza brava, macumba, guiné, mesa branca... to usando tudo!
Valeu!

Adrianne Ogêda disse...

Não esquece do São Longuinho.