quarta-feira, maio 13, 2009

SHISHI, ESTAMOS CHEGANDO




Faltam duas semanas para a estréia de SHISHI, O COMILÃO.
O cenário não está pronto, a trilha sonora não está pronta, o texto não está pronto. e os bonecos não estão prontos (apenas o que está posando nas fotos, mas está tudo solto, falta costurar, colar, calibrar...) que s. pelo cronograma descente, deveria estar ensaiando. Mas não. Estou aqui postando, fazendo filminho pro youtube, overmundo. Tendo idéia mirabolante pro futuro e produzindo toxinas para o fígado, elucubrando a forma de pagar minhas contas exorbitantes.

Mas ontem recebi um conselho budista da seita Nitiren-soka gattai: a dificuldade não dura para sempre.
pode parecer banal, mas sendo japonês, tenho tendências fatalistas. Um rápido exame sobre minhas brincadeiras com a morte , (textuais!!!) podem comprovar o que digo ...
Então, daqui a pouco o dinheiro para pagar a bagaça dessas contas vai aparecer. Porque ia ficar feio um artista e sua família, descobertos podres, num ape da Santa Felicidade. O fim da decência civilizatória! Então tá, chega de falar de problemas...

Está aí o primeiro boneco completo. Faltando apenas os ajustes. Mas aí está frente e verso para poder apreciar de antemão mais uma conquista técnica da Miyashiro-Aliberti Títeres, ex- Miyashiro Teatro de Bonecos .
O penteado de samurai que já falei.
O yukatá, o kimono, a roupa tradicional dos japoneses do período Edo, 1603 a 1868 e pouco. A camisa, hapi, com abertura cruzando sobre o peito que todos conhecem do judô e karatê, forrada. O hakamá, a calça, essa menina dos olhos dos figurinos.
O hakamá pode ser de dois tipos: o umamori que tem duas pernas para a prática da equitação e o andon-bakamá como uma saia. Escolhi o andon-bakamá que serve perfeitamente para o tipo de fantoche que estou usando neste espetáculo.
Agora estou na correria pra terminar os outros figurinos. Espero encerrar a costura na sexta-feira e então partir para a cola.
Semana que vem quero terminar o cenário e algum adereço para começar ensaiar.
Desejem-me sorte, pliz!

Nenhum comentário: