sábado, março 28, 2009

A TRANSFIGURAÇÃO DA REALIDADE



Não pensem que isso é uma crítica ou um insulto, é apenas uma pergunta:

POR QUÊ SE FAZ TANTO TEATRO SOBRE O MEIO RURAL???
POR QUÊ, O ATOR, O DRAMATURGO, O DIRETOR QUER FAZER OUVIR A SONORIDADE DA FALA RURAL?? FAZ O ATOR REPRODUZIR(UM URBANO) UM SOTAQUE ANEDÓTICO, QUE NÃO REPRODUZ A VERDADEIRA SONORIDADE DA FALA RURAL? NORDESTINÊS, CAIPIRÊS, POLACO, GAUCHO...
POR QUÊ APRESENTAR O MATUTO COMO UM HERÓI? COMO SE NELE ACUMULASSE A SABEDORIA E NO CITADINO A ESTUPIDEZ?

Foram várias perguntas, mas que apontam para uma análise escapista da irrealidade. Forjando um ideal que deixa escapar , detalhes significantes de outra existência, uma exist~encia muito mais dura, sofrida e cruel.
Ou talvez querendo dizer: tudo bem no meio rural, não há conflito de terra, não há chacina, não há exploração do trabalho escravo, infantil, de toda uma família; até esgotá-los, onde se pergunta ao homem exaurido pelo sol, pelos anos de trabalho, pela lida na enxada: como vai tua vida? "Vai bem sim , sinhô!" Noooossa, um cara assim só deve ser sábio! Um santo-homem!

E o negro no meio rural?
Esse, o mamulengo retratou como analfabeto, disléxico, contaminado com todos os vermes e bactérias, mas... inteligente!
E esse "neguinho" é capaz de enganar o empregador, a representação do poder de polícia, eclesiástica e até espiritual já que ele dribla a morte, o diabo e quiçá Deus.
Porque, nossa representação de herói afro-descendente compreende os mecanismos, a burocracia, o trâmite dos poderes em qualquer escala. E obtém êxito, mesmo, analfabeto, com dificuldade de aprendizado da educação formal, adoentado, desnutrido: somente com a matreirice!! Simplesmente, porque é "O" Neguinho.
Estarei forçando a barra em dizer que esse protótipo racial não faz propaganda de que "com esforço tudo se obtém"? Que o cara só é pobre porque é preguiçoso? Que na cidade o menino indolente é mandado para a psicóloga que descobre que falta estímulo na sua vida, e no campo, o menino indolente recebe o estímulo da chibata? É assim que se forjam os heróis sábios das representações do meio rural? Praticamente todos eles.

Uma parente disse que as cotas universitárias eram injustas. Que os japoneses deveriam usufruir dentro de um estatuto democrático etc. etc. Antes que isso se torne um debate jurídico, os japoneses vieram para o Brasil para ser algo próximo de escravos. Porém vieram livres, quero dizer, não eram capturados, não eram prisioneiros, nem mercadoria. na mesma condição vieram os italianos,alemães, poloneses, judeus, ucranianos etc. Meus antepassados, ambos, eram alfabetizados em suas línguas, leitores, e com formação técnica. Seus descendentes tiveram assim uma formação melhor. Meu avô percebeu que estava sendo explorado nas plantações de café, porque era realmente inteligente, fazia cálculos e podia prever que aquilo não ia ter um bom fim, e por isso fugiu com a família em busca de oportunidade melhor. Num país em que não dominava o idioma, com ninguém para lutar a sua causa. O resultado é o número respeitável de vestibulando de origem nipônica e a fácil inserção no mercado. Pelo menos, antes da crise...
Bem, e se para o japonês com formação e vantagem histórica é difícil, quanto mais o negro que há um século era tratado como rês...

E mais uma pergunta:
Aonde, um matuto se deu bem na vida?
Só quando virou torneiro mecânico.

Nenhum comentário: