quinta-feira, março 19, 2009

A CRISE E OS NEGÓCIOS




Eu não vou acusar, apenas vou observar...

Crise econômica sempre foi sombra do teatro.
Mas nunca vi tanto dinheiro cair nas mãos de produtores como em 2008 e nesse início de 2009. parece que agora, devido ao vultuoso fluxo de prata, fica cada vez mais difícil camuflar os repletos baús.
As cias. teatrais sofreram o choque de gestão e são empresas sólidas com carteiras de clientes fiéis, sem mencionar do mais fiel deles: o Governo.
Arte e Poder também não andam separados. O Poder precisa da persuasão da arte para governar. A arte que discursa em harmonia com o Governo torna-se colaboradora essencial para evitar que o cidadão julgue.
Por sua vez, o artista que torna-se empresário, na minha opinião, deixa de ser artista. Pois é impossível gerir os negócios e fazer refletir sobre o tempo em que se vive. E o que ocorre entre os colegas é isso. Muito pouco se admira o talento, mas a capacidade de captar negócios e gerir a empresa que é o grupo teatral.
Quando comecei a fazer teatro, empenhávamos em longos debates, ensaios e a reflexão continuavam durante a semana. Hoje essa estratégia é encarada pelos profissionais com hojeriza. Pura e desgastante perda de tempo.
As longas conversas sobre fazer teatro, foram trocadas pelas ordens , diretrizes, para agilizar o processo criativo, não queimar o cronograma e toda essa terminologia técnica que na verdade esconde a preguiça mental das atuais companhias para criar, mas apresentam um vigor surpreendente para ganhar dinheiro.
E quem vive sem dinheiro?
A questão é o procedimento para obtenção desse dinheiro.
Arte pode ser um negócio rendoso quando há a oportunidade no oferecimento de dinheiro. O Minc prevê algo em torno de R$48 milhões.
Como é distribuído esse valor?
Se fizer mercado, as cias. tornam-se mercados.
Se abrir concurso, tornam-se funcionários.
Se distribuir feito bolsa-família, só no meu condomínio vão aparecer umas quatro cias. de teatro de bonecos!

Por outro lado, há duas semanas apresentei num lugar que para mim foi familiar: o teatro de bonecos Dr. Botica.
Ingressos a R$14 e R$7,00! Muita gente por aqui, na Santa Felicidade, pede para avisar quando houver apresentações minhas. Se nem quando foi gratuito pela FCC não foram, quanto mais pagando R$14,00! Não convidei ninguém e nem enviei press release. Para minha surpresa as sessões lotaram!
E o Botica é um espaço de arte a serviço de um poder, a empresa que o apóia. E as pessoas confiam nesse poder. É curioso...

Nenhum comentário: