quarta-feira, março 11, 2009

AFINAL, QUEM É ARTISTA?



Aqui é a fase em que se encontra aquela cabeça, cuja pintura foi feita e refeita pela LUCIANA ALIBERTI...


Exposição de gravuras feitas por ex-moradores de rua na Pinacoteca de São Paulo. A repórter Neide Duarte diz que "agora suas obras se misturam com a de outros artistas", traduzindo: foram elevados a categoria decente de artistas, ou não-moradores de rua. Ou podem até morar na rua, mas são agora artistas.
Quem é artista, afinal?
O crítico definia isto. Principalmente o crítico de artes (...plásticas). O crítico (...teatral) poderia derramar-se em um jorro de palavras apaixonadas diante de um recém-descoberto cantor , ator e até um marionetista! Mas em virtude da desmensurada ambição de alguns candidatos a ascender no panteão dos eleitos pelas Musas; e a arrogância dos eleitores (eles mesmos, os críticos), temos a confusão desse jogo obscuro que é a definição do artista.
A lacuna está aberta e nela se infiltra o texto jornalístico que elege tal e tal fulano ou sicrano, artista.

Eu não fui eleito.
Impus lenta e elaboradamente minha identidade artística.
Ainda hoje é controvertida a minha identidade.
Alguns ainda não a reconhecem.
Claro, tenho carteira do SATED.
Sou filiado ainda que não recolha as taxas devidas, a aprtb.
E o mais importante, a opinião pública: ...este é Jorge Miyashiro, um artista!
Está bem, sou um artista em baixa-estima.

Mas algo aplicado a mim, alenta que sou um artista.
Eu não me calo.
Entre todas as categorias da sociedade: políticos, jornalistas, empresários, advogados, sindicalistas, manifestantes, líderes etc.
Cada uma dessas vozes dissonantes entre si, que formam o plural ruido que permite pensar, ter idéia própria.
Como criador do meu próprio discurso.
Participante do debate através do meu meio que é o teatro de bonecos.
Aí sim! Sou um artista.

Um comentário:

Sergio disse...

O que é pior: ter baixa auto-estima?

Ou ter alta baixa-estima?

Votações para este blog!