quarta-feira, fevereiro 11, 2009

AS TRILHAS DO DESTINO




Então hoje precisamos de mais rodovias. De mais carros para percorre-las. Pagar o pedágio. Tomar uma fila no aeroporto. Viajar as longas distâncias para... Contar pros amigos que esteve lá, sem muito estresse, sem muita canseira. Claro que não é a mesma coisa ir para o sitiozinho da família há 25km daqui. Muito menos descer a serra até a praia. Tem que chegar até a Patagônia, Terra do Fogo, Capetown, Beijing, Himalaya!!! Esses lugares que os europeus levavam 3 anos, separados por duas polegas de madeira sobre o oceano profundo, para ir e retornar se o bom Deus permitisse.
Num texto escrevi que o pequeno contraventor de rua, aquele que pede colaboração de uns trocados para ajudar na cura de uma doença irreversível; ou aquela criança que chega junto a mesa, perto do seu copo de chopp e pede para dar um abraço e em seguida tenta vender um jogo de toalhas de cozinha. Esse contraventor não deve nada à moral tanto quanto deve o comércio e os serviços que pagam os impostos.
Aliás, eu pagador de altos impostos (30% do meu rendimento), por que devo pagar impostos? Pago para não ir preso. A não, pago para ter luz na minha casa. Mas para isso eu pago a conta de luz. Então pago para ter asfalto na rua da minha casa. Mas para isso eu pago a taxa de asfalto e o IPTU, alem de pagar o aluguel (sou uma mula, mesmo). Então para o caso de uma emergência de saúde; então porque estou pagando unimed?
Eu pago imposto para ajudar os bancos. Para toda a obra de infraestrutura de hidrelétricas, gasoduto, petrolíferas e financiar a casa dos mais bem pagos trabalhadores do país, os metalúrgicos. Tudo porque, assim como falou uma navegador: eu faço minha higiene matinal com um copo de água, minhas necessidades poderiam ser supridas com uma viagem de tropeiros, sobre lombo de mulas. Mas resolveram acabar com isso e plantaram as ferrovias e logo acabaram com isso para criar as rodovias que estão se acabando. Somos ou não somos as vacas desse Edmares?
Eu pago impostos para não ser preso. Apresentei-me a junta de serviço militar para não ser preso. Voto para não perder o direito de trabalhar e não ser preso.
O governo trata o civil como animália.
Nos anos 70 a professoras faziam-nos ler aquelas cartilhas de como preservar os símbolos pátrios que eram a bandeira, o brazão da república e os 3 hinos. Havia as recomendações do bom uso da bandeira, como hasteá-la de acordo com as ocasiões, os ângulos corretos do mastro. Havia também a maneira incorreta de ostentar a bandeira nacional. Não podia usar a bandeira como toalha de mesa, como xale, bandana ou estampa de vestuário. Hoje em dia dia tem bandeira até na bunda!
Depois fui saber que a razão para não fazer esse uso diverso da bandeira tinha a finalidade de criminalizar as mulheres dos ferroviários, nos anos 30, que estendiam a bandeira diante das locomotivas para evitar que furassem a greve! Elas usavam também, a bandeira como escudo, contra a polícia.
Não é incrível?

Nenhum comentário: