domingo, janeiro 25, 2009

SIM! EU MASTURBO MENTALMENTE.

Confesso!
Sou viciado em saga. Primeiro foi o Senhor dos Anéis. Isso antes da trilogia filmada, um fiasco! Li e reli umas 15 vêzes toda a coleção, inclusive o Hobbit. Menos aqueles Contos Inacabados, Silmarillion. Li uma coletânea do Tolkien, uns contos editados pela Ameribérica, de Lisboa. Muito boa! Aquele apêndice no terceiro livro, O Retorno do Rei, contando a decorrência da escolha da rainha élfica em casar com um homem mortal. Os elfos eram virtualmente imortais, o marido morre, os habitantes do reino desaparecem no tempo e a rainha resta solitária, no castelo tomado pela floresta. Hoje a coleção está aposentada.
Pois agora, tenho fome da saga do Mestres dos Mares. E está saindo A Ilha da Desolação, que é a continuação de A Fragata Surprise.
Mas nõa leio para ser culto. Leio porque gosto. sou muito guloso, e essas leituras me dão fome. No Senhor dos Anéis, com o cardápio élfico, assados, pernil defumado, lembas, cram, biscoitos secos, tinha vontade de comer pão com manteiga e mel. fiquei uns três anos comendo na boa, muita manteiga e mel passado no pão. Com o Mestre dos Mares, em meio ao vinho do Porto, ensopado lobscorse, pudim de gordura, rins e passas, queijo tostado, comia la pelas 2 ou 3h. da madrugada ovos fritos com bacon. Fritava fatias finas de bacon até fazer óleo, acrescentava cebolas e por fim os ovos, dois ou três. Fazia descer com cerveja ou vinho diluido com água e mel, acreditando estar bebendo hidromel grego...

Eu não leio para ficar culto, mas tem gente que precisa.
Em tempos de São Paulo Fashion Week, perscrutava pelos meus desejados escapismos impressos, quando um casalzinho, poderia ser amigos. A menina fashion fofa procura pelas prateleiras e o amiguinho, namorado diz: ...Schoppenhauer?
Nooossa, essa mocidade joga pesado!
E a menina, olhos azuis faiscantes: "É para minha amiga, ela está precisando, ela é depressiva".
Opa! Schoppenhauer para depressivos?
E continuou: "Ela precisa de algo positivista. (!?!????)
Então tem que dar Auguste Comte, não é?

Nenhum comentário: