quarta-feira, outubro 08, 2008

O SONHO DO TITERITEIRO





Qual é teu maior desejo?
A sedutora questão que por si, catapulta-nos ao mundo imaginado. Qual seria meu maior desejo?
O meu, hoje, além de ganhar na mega-sena, claro, é ter uma marcenaria para fabricar bonecos. Se for de tábuas velhas melhor. Se for cheia de vãos e buracos, melhor ainda. Se o sol do fim de tarde atravessar esses buracos e a luz transfigurar no p´[os de serra em suspensão... aí é poesia, né!

Deixa a viadagem de lado!
Comecei a trabalhar na madeira.
Comprei a caixeta em São Paulo, depois de muitas horas na internet, depois de muita investigação em Sampa, depois de procurar por horas na rua do Gasômetro. Depois de carregar uns dois kilômetros três metros de uma viga de caixeta, e, por fim trazer tudo para Curitiba, então...
Então, nada!
Tive de serrar as vigas, cara!
Três horas para fazer os blocos, serrando, serrando, braço doendo, suando, suando.
E hoje chegamos a isto ali, em cima:



Fala se não é uma belezura?
Não é minha primeira escultura em madeira.
Mas, na outra vez usei um emeril.
Agora estou usando formão e grosa.
Como deve ser feita uma cabeça de boneco.

Uma vez dei uma palestra para o pessoal do Centro do Truks.
Falei do meus processos de fabricação de boneco.
Das torturantes sessões de lixa sobre a cola e a intertela.
O Henrique tirou o sarro: disse que comprou uma lixadeira, e que eu poderia comprar uma também.
“Ora et labora”.
Uma máxima alquimista. De trabalho incessante para transmutar a matéria.
Como explicar uma coisa dessa?
Hoje faz 26 anos que pratico meditação. Tive vários mestres, de várias escolas.
Hoje percebi como se pode fazer de tudo dentro da meditação.
Trabalhar, planejar, viajar, sexo, refletir, descobrir, entorpecer, estimular, descansar, esgotar-se, passar o tempo...despertar poderes paranormais.
Hoje estou só praticando meditação.
Tento não pensar, tento não procurar por nada.
Só manter o pensamento fixo numa unidade qualquer.
Se a mente sair disso, faço voltar.
Foi um ensinamento que nunca tinha dado valor. Preferia procurar por alguma coisa... poderes paranormais.

É como tomar chá.

Os mestres zen, ensinam que tomar chá é uma meditação.
Pois bem. Deve-se tomar o chá e além disso só tomar o chá. Não é para conversar, relaxar, pensar na vida... é apenas tomar chá. Focalizar todos os sentidos na experimentação do chá.
Engraçado que a cozinha molecular desde a nouvelle cousine tem essa premissa de focalizar a experimentação nos pratos. Todo o ser do comensal é voltado para a deglutição comedida, mas intensa de sabores. Por isso, não há aquela saciedade pela saturação da gordura e do açúcar, mas um bem-estar de quem passou por um diálogo com algum mestre zen culinário.

Nenhum comentário: