terça-feira, setembro 30, 2008

O TEATRO NÃO É A SALVAÇÃO DOS TÍMIDOS



Visitantes Incomuns, no Teatro do Piá, 05/10 11h.





Estou em São Paulo, em um laptop que não é meu, por isso...
As pessoas falam, o Sérgião e Vanda disseram, mas até agora não peguei um, nenhum metrô cheio!
Ontem 19hs., estação da Sé: vazio! Viajei sentado. Por isso, o tal colapso dos transportes na capital paulista é pura neurose de paulistano. Coisa da mídia, para vender mais jornal e revista. Para dar lucro aos promotores de evento que patrocinam os debates nas centenas de espaços e auditórios espalhados nessa mancha urbana e sem fim provocada por 90 milhões de seres humanos...afe...

Ontem, também, almocei no Instituto do Princípio Único, onde se serve a melhor comida macrobiótica daqui. Lá na pç. Carlos Gomes, na Liberdade. Cara de cantina familiar, as moças e muitos dos freqüentadores aparentam estar no último nível da força. Parecem doentes, e podem estar . A macrobiótica promete cura para o câncer e qualquer doença crônica e aguda, desde que se siga á risca, suas orientações dietéticas. Por outro lado, a comida, aparentemente simples, tem o preparo extremamente requintado. É saborosa.

Tá.
Na cozinha, havia umas velhinhas lépidas, espertas e com cara satisfeita. Uma moça, como sempre (vou lá desde 1980), tinha a cara desanimada e cansada. Era indecisa.Uma velhinha montava os pratinhos de legumes que acompanham o fabuloso arroz integral, mas teve de largar o serviço. A moça assumiu , pegou uma panela e desistiu, enquanto a fila acumulava. Preferiu mandar todo mundo para as mesas, começando beber a sopa e comer o arroz, prometendo levar os legumes depois.

Mastigando 50 vezes cada bocado do meu arroz, formulei a seguinte questão e a posterior conclusão:

Nas aulas de teatro, deparo constantemente com gente que declara ser tímida. É preciso seduzir essas pessoas, existe um ritual longo que antecede sua participação efetiva nas aulas.
O que em resumo, consome 60% das aulas. Tempo que seria aproveitado para mais exercícios, mais informação. Os tímidos prejudicam até quem é mais voluntarioso, porque não se pode abandonar ninguém, só por ser tímido. É a lei do pelotão: ninguém será deixado para trás!!!!!
Há aqueles que se dizem tímidos, só para fazer charme, quando na verdade estão loucos para se atirar. Vejo muito isso. E perdeu-se uns bons 10 minutos nessa frivolidade, numa aula que dura 2 horas.

Que energia é essa que trava o mergulho das pessoas?!

Ainda havendo o debate interno, o titubear, o vai-não-vai, é muito bem-vindo. Mas imobilizar-se completamente!

O artista não é destravado.
O ator não se lança completamente.
Há um limite. Existe a dor inconsolável. O território obscuro onde jamais se deve voltar. Ali, o explorador sem-medo e incauto, palmilhou em alguns segundos de curiosidade e foi terrivelmente magoado.

Sim. O artista tem limite, senão produziria uma obra caudalosa e diária.

Semana passada estive numa cidade do interior do Paraná e conheci uma menina de 20 anos que cuidava de uma senhora enferma. Passava o dia inteiro sentada, assistindo TV ao lado da senhora. Saía do quarto da TV para levar a paciente num lugar a outro da casa onde só se ouvia o monólogo da mulher enferma.
Não é um destino terrível cuidar de pessoas doentes. Mas assistir TV o dia inteiro ouvindo monólogos, é. Disseram que essa menina queria ser freira e veio até São Paulo para ser admitida num convento. Foi rejeitada pela compleição inerte. Digo que sua aparência é passiva na possibilidade de que suas entranhas devem se revolver.

7 comentários:

Sergio disse...

Cara, tem certeza de que está na cidade certa? Pode ter entrado em um desvio-padrão wormhole nº 5 e seguido para a capital do anti-caos, uma alternativa viável que se tornou Piratininga em vez de SP.

Enfim, o medo, a dor e o silêncio obscuros realmente refletem na criação. Mas só para aqueles de ousam chegar lá perto, na beirada. Não sei se já tive essa coragem. Mas já senti o calor da lava, pelo menos, em algum desvio-padrão anterior.

Abraço.

cronicasterraqueas.blogspot.com

Jorge Miyashiro disse...

Era sim, era sim...
Tenho certeza. Como não poderia ser?
Ah! Era São Paulo pq. ví uma japonesa loira e uma nordestina moura em...????

Anônimo disse...

Bonitas palavras, pois, um julgamento aos tímidos um tanto quanto cruel, porquê só quem é tímido pode descrever o que realmente sente, o que enfrentam dentro de si para vencer qualquer obstaculo e alguns conflitos rotineiros da vida que para pessoas com facilidade de se expressar é banal, mas, para alguns tímidos é a morte. O teatro é sim uma boa alternativa para tirar o ser tímido de sua obscuridade interior. Então, o mundo e o teatro é para todos, não seja egoísta! ;D

Jorge Miyashiro disse...

Existe uma coisa chamada terapia e a arte não pode servir à saúde. Arte deve ser livre, pois servidão é a execução da arte. Arte é cruel e não é alternativa. Hobby é alternativa. Não ler e mesmo assim advertir, gritar das sombras, isso sim é egoísmo. Vem pra rua, vem!!!

Marilia Kubota disse...

Concordo que o teatro não é a salvação dos tímidos. De tanto me aconselharem a fazer teatro para deixar de ser tímida, fiz um curso. E não conseguia fazer nada. Nem todos precisam estar no grande palco. Um palquinho também é legal. Mas, Miyashiro, correr demais faz mal à saúde, hein...beijos!

Jorge Miyashiro disse...

Ahhhh, Marília Kubota!!! Mas no teu caso foi um tremendo descuido, uma completa falta de percepção do talento nato, imiscuído no gesto contido, calculado,perfeito. Correr, correr, correr... certa vez perguntaram a um samurai moderno (sim eles existem) onde se encontra o " ki" a força do guerreiro. Respondeu,bla, bla, bla que existe em todo lugar,mas que somente os velhinhos podem percebê-lo, os jovens em sua inconsequente alegria de viver, não... palavras da salvação, graças A Deus!

Anônimo disse...

Concordo com o sujeito que opinou sobre os tímidos no teatro. Sou atriz profissional. Vez ou outra frequento uma oficina de teatro e observo que há realmente indivíduos com a tal "vontade de se atirar" de primeira, como bem disse. Todavia há de se controlar esses impulsos, pois atuações impulsivas acabam por se tornar corriqueiras e sem profundidade. Neste sentido, a vasta variedade de mentes numa aula de teatro há de fazer este equilíbrio - os tímidos, que internalizam seus sentimentos e levam mais tempo para explodir; e os extrovertidos, que não tem grandes sacrifícios controlando suas emoções. O teatro, assim como todas as criaturas vivas, precisa encontrar-se em homeostase (homeostase teatral, sim ela existe!) para que toda a maquinaria funcione. É preciso colocar o mesmo peso em ambos os lados da balança.

Um abraço e sorte na profissão.