sábado, setembro 20, 2008

JIU-JITSU, FAMA E DECEPÇÃO

Terminando de ler a biografia de Carlos Gracie, o patriarca da família que desenvolveu a renomada e controvertida escola de Jiu –Jitsu brasileira. Nenhuma boa recepção é boa para o que é novidade. Só se for aumento de salário. Quanto mais uma idéia que aprimore uma arte. E se o “mestre” apoiar-se sobre rigorosos princípios, aí a grita é geral... E se o cara envergar uns pecadilhos curriculares, vixe!!! Fogo do capeta!
Minhas impressão ao ler o livro:
- não fiquei com vontade de aprender Jiu-Jitsu;
- o Carlos Gracie foi da pá virada;
- o Carlos Gracie sabia agarrar uma oportunidade;
- respeitava e agora respeito mais o Carlos Gracie;
- o livro é um toco de grosso e quando está cansando, aparece uma passagem interessante.

Sou contra a pirataria dos dvds de filmes, cd etc... mas...
É certo quando você quer assistir Vestígios de um Crime, com Samuel L. Jackson; comprada pela locadora há 2 meses, você não consegue achar o filme na prateleira?
É certo que o Brasil seja um dos últimos países a receber o lançamento em dvd, mas é um dos primeiros a receber o lançamento em cinema?
É certo pagar R$60,00 por um lançamento em dvd, sendo que depois de 1 ano o preço cai para R$12,00?
E que na banca do pirata você pague pela cópia R$5,00?
E que todos esses truques da indústria é chamado estratégias de venda e o truque do pirata seja chamado crime?

Ainda bem que vivo numa democracia , e posso filosofar!

Falando em demo...
Estou adorando o atual pleito para prefeito no país.
Que limpeza (nas ruas)!
Que silêncio (bem mais que no passado)!
Agora não poder declinar sua preferência por tal e tal candidato no blog?!
Pô, o blog é que nem muro da própria casa, muro no quintal, nos fundos da casa.
Para ler é preciso subir no muro, espiar... Ninguém “passa” pelo blog. Vai e lê quem está imbuído (não tenho outra palavra) pela própria vontade. Agora postar num portal do Ig, Hotmail, Uol, aí acho que é outra coisa.

Juízo juiz...

Estava lá no começo da rodovia 277, apresentando pela Rede Sol na Escola Ecumênica, onde conheci a Musse. Uma simpática professora que de cara veio falando que lia este blog e era minha fã!!!!
Isto é espantoso, porque quem está acostumado a levar a vida e os títeres pelas trilhas e estradas inóspitas deste mundo afora, não escuta muita louvação e elogio admirado. Um “legal” bem sem-graça já é um diploma de qualidade! “Sou seu fã” dá medo. Parece que a pessoa vai ficar ligando todos os dias e por fim, frustrada, aparece do nada com um punhal na mão... Claro, que não a Musse! A Musse é um doce de pessoa. Uma sobremesa de chocolate!!!

Certa vez, estava em Canela-RS. No festival de lá em 1997. Apresentei “Surpresa” com o Manoel Kobachuk. Foi uma apresentação conturbada. No Rio Grande, os técnicos não tem muito cuidado com quem sobe ao palco. O pessoal técnico de lá, dá umas pisadas na bola, tem a mão meio grossa... e eu que sou meio ressabiado, fico pensando o que é que eu fiz de errado para aquela pessoa.
Enfim.
No dia que apresentamos no festival, havia umas 20 a 30 pessoas no palco, mexendo sei lá o que e passando fio para tudo que é lado. Perguntamos onde era a fonte de força e indicaram uma tomada.
Pluguei.
Na hora do espetáculo, vou dar o clique no som, cadê a força????
Nunca havia visto aquilo.
Num festival!!!
Gente do Brasil inteiro, do mundo inteiro! David Sirotiak, Augusto Bonequeiro, Magda Modesto, Hugo Soares, Jesus Cristo, Buda, Yang Feng, o presidente da república e o financiador que pagaria o cachet... todos viram que meu clic não deu clic.
Manoel no palco improvisa, vê que não viria o som e foi para trás, procuramos outra tomada e veio a luz, ou melhor o som.
Óbvio que fiquei abalado e que errei outras cenas.
No final recebemos os aplausos, fui direto para o fundo da empanada. Alguns amigos vieram me cumprimentar e me encontraram convulsionado de choro, que nem um piá de 6 anos perdido no supermercado.
Putz, não desejo isso pra ninguém.
Isso para contar que a vida prossegue e fomos assistir um espetáculos do festival. Entramos eu, o Manoel, O Evaldo Barros e o Márcio na sala e sentamos. Daí veio um cara pedindo autógrafo, um colega de lá de Porto Alegre. Achei que o cara estava tirando uma, devia estar. Mesmo assim dediquei uma assinatura.
Ele pegara gosto pelo clown que eu fazia no Surpresa. Tinha umas técnicas de mímica e por sinal, o espetáculo que fizera mais sucesso em Canela, naquele ano, foi o “Cuentos Pequeños” do Hugo & Inês, mímicos.
Mas o cara devia estar chapado, só podia estar...

MINHA AGENDA FEÉRICA

Semana que vem estarei em Rolândia-PR, norte do estado para uma série de apresentações do LUVAZINE destinadas às crianças de uma creche de um bairro carente. Dias 25 e 26 de setembro. A convite da Maçonaria local.
Não vou receber cachet algum, apenas pedi duas passagens extra para a Luciana e pro Felipe. Com dois anos esta será a primeira viagem aérea do meu filhote. Vai voar de avião que ele diz ser “gioooo, gioooo, gioooo....”. Todo onomatopéico, giooo é o motor do avião!

Nenhum comentário: