quinta-feira, novembro 01, 2007

QUEM QUER SER BOZO?

Eu quero!
Não tenho nenhuma vontade de alcançar algum âmago estético. Nada ambicioso assim. Quando era bobo e acreditava nas vanguardas, revoluções, ações terroristas contra burguesia estabilizada, tinha vergonha de dizer que gostava de comer bem, passar a tarde a beira da piscina, tomando suquinhos compostos, coquetéis doces esse tipo de coisa viada, mas que é muito boa.

Já levei porrada de uma pseudo-crítica de que o que eu fazia em teatro estava sendo uma merda. Claro! Eu quero ser Bozo, porra! Vaga de Garibaldo já está tomado; teria que assassinar o Júlio na gaita e a bicharada no vocal, cocoricó... Não isso não.
Mas a vaga de Bozo tá vaga.

Outra coisa que é boa na vida desses tipos é a companhia, as ajudantes de auditório. Um séqüito dedicado de mocinhas, loucas pela fama, disciplinadas feito esquadrão de tropa de elite, com amor pela camisa, mesmo sem ela...

É uma celebridade oculta. Palhaço ou boneco, nunca a identidade secreta é revelada. Pois muito se sabe que a fama só é boa nos primeiros 15 minutos. Depois enche o saco! Aí a gente quer mesmo é por chinelo e bermuda, sair de barba crescida, com bafo, olhando feio para todo lado sem dizer bom dia para ninguém. Esse é o maior prazer e objeto de desejo de quem é realmente famoso.



2 comentários:

Sergio disse...

cara, teus proscritos estão melhorando a cada dia.

pelo que entendi destes dois últimos, tem a ver com animar o palhacinho, é isso?

braço bróder.

Jorge Miyashiro disse...

Isto! Isto! Isto mesmo!!!!!
É uma emoção sem precedentes quando se é compreendido.

Definitivamente a carreira literária está franca e diuturnamente se escancarando diante dos meus pés.

Bração migo!